50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro terá dez dias de atividades

O 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro terá início dia 15 de setembro e terá duração de dez dias, com diversas atividades espalhadas por 12 regiões administrativas, entre elas, Asa Sul, Gama, Sobradinho, Taguatinga e Riacho Fundo.

Serão exibidos nove longas-metragens e 12 curtas que concorrem ao Troféu Candango gratuitamente no Espaço Semente (Setor Central do Gama); no Teatro da Praça (Setor Central de Taguatinga); no Riacho Fundo I (em frente à administração regional) e no Teatro de Sobradinho.

Na Asa Sul as exibições serão no Cine Brasília, por R$ 12 (inteira). Haverá ainda, reprise gratuita no dia seguinte à exibição no auditório 1 do Museu Nacional, às 15 horas.

O evento, em vez de premiar os vencedores, vai conceder R$ 340 mil em cachês de seleção, contudo, manterá a entrega do Troféu Candango nas categorias melhor filme, direção, ator, atriz, ator coadjuvante, atriz coadjuvante, roteiro, fotografia, direção de arte, trilha sonora, som e montagem.

Cena do filme 'Café com canela'

Credito: Liz Riscado/Divulgacao. Cafe com canela, filme de Ary Rosa e Glenda Nicácio, selecionado para o Festival de Brasília”

Confira os nove longas-metragens e 12 curtas que concorrem ao Troféu Candango

 

Curtas-metragens do 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

A Passagem do Cometa, Juliana Rojas (SP)
As Melhores Noites de Veroni, Ulisses Arthur (AL)
Baunilha, Leo Tabosa (PE)
Carneiro de Ouro, Dácia Ibiapina (DF)
Chico, Irmãos Carvalho (RJ)
Inocentes, Douglas Soares (RJ)
Mamata, Marcus Curvelo (BA)
Nada, Gabriel Martins (MG)
O Peixe, Jonathas de Andrade (PE)
Peripatético, Jessica Queiroz (SP)
Tentei, Laís Melo (PR)
Torre, Nadia Mangolini (SP)

Longas-metragens do 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

Arábia, de Affonso Uchoa e João Dumans (MG)
Café com Canela, de Ary Rosa e Glenda Nicácio (BA)
Construindo Pontes, de Heloisa Passos (PR)
Era uma Vez Brasília, de Adirley Queirós (DF)
Música para Quando as Luzes se Apagam, de Ismael Cannepele (RS)
O Nó do Diabo, de Ramon Porto Mota, Gabriel Martins, Ian Abé e Jhesus Tribuzi (PB)
Pendular, de Julia Murat (RJ)
Por Trás da Linha de Escudos, de Marcelo Pedroso (PE)
Vazante, de Daniela Thomas (SP)

 

Veja aqui a Programação Completa do 50º Festival de Brasília.

Deixe sua resposta