Cervejas artesanais lutam pela preservação do cerrado

Em parceria com Instituto Jurumi, percentual das vendas da Cerrado Beer é direcionada a causa

Em parceria com Instituto Jurumi, percentual das vendas da Cerrado Beer é direcionada a causa

 

O mercado de cervejas artesanais e especiais parece que caiu de vez no gosto do brasileiro. Segundo dados do Instituto de Cerveja Brasil, esse nicho não se importou com a crise que assolou o país e cresceu entre 12% e 15% em 2016. Estima-se que pelo menos 2 mil brasilienses se aventurem no território do malte, da cevada, do lúpulo, das leveduras e das especiarias. De acordo com a Associação dos Cervejeiros Artesanais do Distrito Federal (Acerva Candanga), entre 2015 e 2016, o número de produtores caseiros subiu cerca de 300%. Desse total, vários investem em rótulos próprios. São os ciganos, que dependem de fábricas de outras marcas para cozinhar receitas exclusivas.

Os produtos

Dentre os produtores de cerveja do Distrito Federal, está a Cerrado Beer – A cerveja artesanal do cerrado. A marca, nascida em Brasília, produz barris de cervejas artesanais de diversos tipos — desde pilsner, até brown ale, vienna lager e double ipa. O grande diferencial é a pegada socioambiental. Em seus rótulos, é possível encontrar ilustres símbolos da fauna e flora do cerrado, como o tamanduá-bandeira, a caliandra, a seriema e o lobo-guará. Com o intuito de apoiar uma boa causa e ajudar na preservação do bioma, a marca tem parceria com o Instituto Jurumi, na qual um percentual das vendas vai para a instituição.

Além de visar a proteção do tamanduá-bandeira, a organização sem fins lucrativos, atua pela vida silvestre em geral. “Queremos que as pessoas conheçam a biodiversidade brasileira e, também, que seja possível desenvolver projetos que visam a conservação da natureza”, explica o pesquisador e diretor do Instituto Jurumi, Rodrigo Viana. O problema é a falta de investimento para que as propostas saiam do papel e criem vida. “Por isso a parceria é tão importante. A Cerrado Beer dá um exemplo à outras marcas do mercado e, ao mesmo tempo, ajuda a arrecadar recursos para pôr a mão na massa.”

O Instituto

O símbolo do Instituto Jurumi está presente em todos os rótulos das cervejas, ao lado do slogan da Cerrado Beer — “empresa associada à natureza”. Juntos, chamam a atenção dos consumidores quanto a causa apoiada. Além do rock e esportes, as cervejas artesanais estão fortemente atreladas à fauna e flora. De acordo com Denilson Postai, um dos fundadores da marca, o consumo caminha ao lado da consciência social e ambiental. “As pessoas gostam de se sentirem participativas no segmento. Eles estão comprando uma cerveja, mas também defendendo a preservação do seu bioma.”

Os empreendedores do ramo de cerveja artesanal ressaltam a importância de valorizar e cuidar do que está ao nosso redor e vem da nossa terra. “Queremos retratar o bioma e defendê-lo de todas as formas”, frisa Denilson. A Cerrado Beer tem, como objetivo, mostrar todos os insumos, matérias-primas e materiais que o bioma pode oferecer. As receitas que levam no rótulo símbolos do cerrado, foram premiadas em concursos como o Segundo Concurso de cervejeiros caseiros da Acerva Candanga e Casa OLEC, e podem ser encontrados em inúmeros eventos e casas cervejeiras da cidade.

 

Sobre a Cerrado Beer — A cerveja artesanal do cerrado

 

Das panelas para a cozinha industrial, a Cerrado Beer se lançou no mercado para homenagear o bioma do Centro-Oeste com cervejas de qualidade. O grupo de cinco amigos bancários, André Braga, Denilson Postai, Paulo Roberto, Renato Felipe e Osmar Akaboci, fundou a marca em 2015 e têm em comum a paixão pela cerveja, rock e esportes. “Nosso foco é valorizar o que está perto da gente e mostrar todo o potencial que nosso cerrado tem a oferecer”, explica Denilson.

O truck da Cerrado Beer marca presença, semanalmente, em alguns pontos do DF — às quintas no Parque dos Bosques (sudoeste), às sextas na Praça da Araras (Águas Claras) e aos domingos no Eixão do Lazer (altura 111/112 norte), além de eventos divulgados na página.

 

Onde comprar

 

Além dos barris de cerveja que o truck oferece, em parceria com bares e empórios de Brasília, a marca disponibiliza a venda de suas garrafas Hop Brown Ale e Caliandra Vienna Lager. Confira os locais:

  • Mercearia Colaborativa — 412 Norte

  • Empório Iracema — 116 Norte

  • Square Brasília — Hotel Athos Bulcão

  • BSBeer — 103 Sudoeste

  • Parada21 Bebidas — 208 sul

  • Bunker Micropub — Galeria ao lado do Shopping Jardim Botânico

  • Cervejaria Criolina — SOF sul

com informações da assessoria.

Deixe sua resposta