Primeiro festival nacional de teatro universitário do Distrito Federal, Céu tem início no dia 16 de novembro

Com 45 atividades previstas, evento acontecerá entre os dias 16 e 22 de novembro com espetáculos, oficinas, mesas de debates e espaço para análises críticas
Por Luis H Andrade

Primeiro festival nacional de teatro universitário do Distrito Federal, o CéU (Cena Universitária Nacional de Brasília) vai promover o encontro de estudantes de diferentes universidades e escolas técnicas de artes cênicas do Brasil entre os dias 16 e 22 de novembro, na capital federal. Por meio de espetáculos, oficinas, mesas de debates, palestras e análises críticas, o festival pretende estimular a cena teatral local e nacional construindo um espaço de integração e troca, incentivando a reflexão sobre os processos de ensino e aprendizagem em artes cênicas. Estão previstas cerca de 45 atividades durante os sete dias de programação, em diferentes espaços da cidade como o Teatro Plínio Marcos (Funarte), Faculdade Dulcina, Iesb e UnB. O projeto é apresentado pelo Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal.

 

Após uma convocação geral, o festival recebeu 88 inscrições de projetos, avaliados pelo corpo de jurados formado por Adriana Lodi, Alice Stefânia, Denis Camargo e Equipe CéU (Diego Borges e Higor Filipe). Dos projetos avaliados foram considerados os seguintes itens: discurso político/social, multiplicidade de linguagens e descentralização (fora do eixo Rio-São Paulo). A partir desses critérios foram escolhidos três espetáculos do Distrito Federal e cinco de outras regiões do Brasil. Espetáculos do Paraná, Minas Gerais, Ceará, Amazonas, Bahia e DF estão na programação. Foram selecionados, ainda, dois suplentes do Distrito Federal e cinco suplentes de outras regiões do Brasil.

 

Veja abaixo a lista dos espetáculos selecionados para esta primeira edição:

 

“What the fuck is DIZ?” – Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) – Paraná
What the fuck is DIZ? não diz, sugere. Sugere um jogo. Com a palavra. Com o espectador. Sugere Anne. Sugere Franz. Sugere tempos e “estados”. Sugere o ato de falar quando não há ou não se sabe o que dizer. Sugere um entre. Entre Anne e Franz. Entre eu e você. Entre nós. A palavra.

 

“Benedites” – UFU – Minas Gerais
Nascides nas marginais, amamentades pela espreita e astúcia. Benedites é a história das criaturas preteridas e noturnas. Alimentada a figura folclórica brasileira, a fera ferida, que é alvo da bala de prata. Ligades a uma figura que passeia entre o profano e o sagrado, “filho de tudo o que é santo”. A temática peregrina entre a marginalização social, através da produção de corpos sexuais, que apresentam-se como espinho na carne.

 

“Decadenta” – UnB – DF
A comédia musical inspirada no livro Storynhas, de Rita Lee, com ilustrações de Laerte, conta a jornada de Daslee, uma cantante decadenta que ascende dos palcos de uma churrascaria de quinta para o Rock in Rio. Em uma autobiografia não autorizada por ela mesma, Daslee vive suas desventuras em busca da fama. É atriz, cantante, modelo e dançarina. Ninguém se lembra dela, mas ela já esteve por cima.

 

“Entre Nós: Buzinas, Chicotes e Ácidos” – UFCE – Ceará
Entre nós: buzinas, chicotes e ácidos, questiona em cena a visão que a sociedade construiu sobre a mulher, o condicionamento pelo patriarcado, a violência doméstica, o empoderamento, a equidade e a fortaleza feminina.

 

“Ensaio de Despedida” – UEA – Amazonas
Um casal, literal e metáfora. O literal par de atores posto em cena para servir como metáfora de nós em inúmeras fases dos relacionamentos amorosos. Fases estas que estamos fadados a passar mais cedo ou mais tarde, de uma forma ou de outra. Os eu’s compartilhados nas relações a dois em cenas fragmentadas do absurdo que é a realidade.

 

“Espere a Primavera” – IESB – DF 
Quatro amigos vivem numa cidade às margens de uma linha de trem. Os personagens são unidos por finos fios de memória que revelam suas perdas, as chegadas e partidas que são sentidas e perduram neles nos pequenos acontecimentos do cotidiano. Mas a volta de memórias esquecidas e um misterioso viajante trazem inesperadas revelações capazes de tirar dos trilhos o destino de uma garçonete, uma confeiteira, um dono de sebo, um carteiro e um mágico.

 

“Eu é Outro: Ensaio Sobre Fronteiras” – UFB – Bahia
A obra reflete sobre a percepção e reformulação do corpo como coletivo/organismo/integrado, dentro de um todo. Esse organismo que atravessa algumas questões fronteiriças geradas pelas relações com outros organismos, e repensa sobre o incômodo de estar junto. Eu é Outro. Sou? EU é uma ficção possível a ser reconfigurada, pois este EU revela-se parte experimentada do OUTRO. Uma tentativa de aproximação entre o EU OUTRO EU NÓS. Assim, será necessário respirarmos juntos.

 

“O Lá: Sobre Viver em Quadrados” – UnB – DF
Ele e Ela vivem Aqui, mas sonham em ir para Lá.

 

Primeira edição

 

Na abertura desta primeira edição do CéU será encenado o espetáculo “A Falecida”, da Cia Novos Candangos, sob a direção de Diego de Leon. No encerramento haverá exibição da montagem “Adubo, ou a sutil arte de escoar pelo ralo”, dirigida por Hugo Rodas. Na segunda (20/11), em ocasião do Dia da Consciência Negra, haverá uma exibição especial do espetáculo “Pentes”, da companhia Embaraça. Todas as sessões acontecem no Teatro Plínio Marcos (Funarte).

 

O CéU receberá convidados locais e de outras regiões para atuar nas oficinas, debates e espaços para análises críticas que ocorrerão no dia posterior à exibição de cada espetáculo universitário.

Convidados locais:  Alice Stefânia  (atriz e professora da UnB),  Adriana Lodi – (atriz e diretora),  Denis Camargo (ator, palhaço e professor do IESB), Diego Ponce de Leon (jornalista), Felícia Johansson  (atriz e professora da UnB), Fernando Villar (diretor e professor da UnB), Fernando Guimarães (diretor e professor da Faculdade Dulcina de Moraes), Fernando Martins (diretor do curso de artes cênicas do IESB, Silvia Paes (atriz e diretora da Faculdade Dulcina de Moraes) e   Hugo Rodas (diretor e professor da UnB)

 

Convidados de outras regiões confirmados: Matteo Bonfitto (artista e docente do Instituto de Artes da Unicamp – SP), Paulo Celestino(ator do Grupo XI de Teatro de São Paulo – SP), Patrícia Fagundes (diretora e professora da UFRGS – RS), Bya Braga (atriz, diretora e professora da UFMG – MG), Pita Belli (ex-coordenadora do Festival Internacional de Teatro Universitário de Blumenau e professora da FURB – SC) e Hebe Alves (diretora e professora da UFBA – BA)

 

Saiba mais sobre as oficinas ministradas no CéU

 

Entre as atividades formativas oferecidas estão oficinas com nomes de referência do teatro nacional, como Pita Belli, Fernando Guimarães e Adriana Lodi. As inscrições podem ser feitas no site cenauniversitaria.com, pelo valor de R$ 20. Veja abaixo a programação completa das oficinas:

 

Improvisação

Dias 17, 18 e 19 de novembro, das 9h às 12h, no Iesb (Asa Sul).

Com Pita Belli

Preparação de atores através de técnicas de improvisação, no âmbito da contracenação e do jogo entre atores e destes com o público. Utilizando técnicas de improvisação em grupo, que buscam a comunicação expressiva no coletivo e o enfrentamento de situações adversas, e a consequente transformação em cena. Os exercícios têm base nas proposições de Keith Johnstone, com ênfase na questão do status cênico.

 

As Superfícies da Palavra

Dias 17, 18 e 19 de novembro, das 9h às 12h, no Iesb (Asa Sul).

Com Fernando Guimarães

Leitura e discussão da palavra em textos teatrais.

 

Corpo-Instrumento

Dias 17, 18 e 19 de novembro, das 9h às 12h, no Iesb (Asa Sul).

Com Hugo Rodas

A oficina pretende estimular no indivíduo à criação de uma gestualidade desvinculada da memória usual que empobrece a expressividade, em busca de lugares não convencionais de expressão vocal aliada ao gesto. A proposta é encontrar caminhos musculares, onde se trabalham vocalidade, dança e musicalidade.

 

O ator-performer: Ecos e Transversalidades

Dias 17 e 18 de novembro, das 9h às 12h, no Iesb (Asa Sul)

Com Matteo Bonfitto

Essa oficina se concentrará sobre as tensões entre o trabalho do ator e o trabalho do performer. Assim, alguns aspectos serão particularmente abordados, dentre eles a diferença entre personagem e atuante, entre dramaturgia e programa, e entre representação e presentacão.

 

Práticas Biográficas de Dramaturgia

Dias 18 e 19 de novembro, das  9h às 12h, no Iesb (Asa Sul)

Com Patrícia Fagundes

Dramaturgia entendida como prática de criação cênica, corpórea e relacional, tecida como ação e movimento, palavra encarnada. A partir da experiência desenvolvida desde 2010 em vários espetáculos da Cia Rústica, a oficina compartilha procedimentos de composição dramatúrgica em processo de ensaios, considerando diferentes fontes biográficas como matéria prima. Memórias, registros, histórias pessoais e do outro, fragmentos de vida coletados, colados, reinventados. Através do corpo, do jogo, do encontro com o outro e com o mundo, uma breve experiência de composição dramatúrgica em sala de ensaio, uma escrita suada, relacional e cênica.

 

Leituras Dramáticas

Dias 18 e 19 de novembro, das  9h às 12h, no Iesb (Asa Sul)

Com Adriana Lodi

Promover o exercício com a palavra dramática a partir do trabalho de leitura e interpretação de texto  utilizando como material contos, poemas e textos produzidos pelos estudantes. Serão realizados exercícios de dicção, respiração, articulação e modulação do texto, para uma melhor capacitação fônica do estudante. Trabalho sobre a estrutura dramatúrgica construída na atuação do interprete com os recursos de tempo, timbre, velocidade, acentuação, intenção e presença. Experimentar a manipulação do texto pelo intérprete, com explorações individuais e em grupo por meio de jogos de escuta e de atenção.

 

Teatralidade

Dias 17, 18 e 19 de novembro, das 9h às 12h, no Iesb (Asa Sul).

Com Juliana Pinho

Princípios e técnicas que correspondem à primeira formação modular do curso “Consciência do Actor em Cena”, desenvolvido por João Brites e o teatro O Bando de Portugal. O curso sustenta-se numa fundamentação teórica que possibilita a construção de um discurso teatral singular que relaciona a teatralidade individual do ator com o domínio técnico dos três Planos de Expressão (Interioridade, Oralidade, Corporalidade), em função do que pode ser percepcionado por quem observa – o espectador. Desta forma, o ator torna-se mais consciente das suas possibilidades técnicas, do seu virtuosismo artístico e das suas características recorrentes.

 

 

Veja a programação completa do festival

16/11 (quinta)

▸ 19h – Cerimônia de abertura, na Funarte

▸ 20h – Espetáculo “A Falecida”, na Funarte

▸ 22h – Ponto de Encontro, na Funarte

 

17/11 (sexta)

▸ 9h – Oficina de Improvisação, no Iesb, com Pita Belli

▸ 9h – Oficina O ator-performer: Ecos e Transversalidades no Iesb com Matteo Bonfitto

▸ 9h – Oficina de Teatralidade no Iesb com Juliana Pinho

▸ 9h – Oficina Corpo-Instrumento no Iesb com Hugo Rodas

▸ 9h – Oficina As Superfícies da Palavra no Iesb com Fernando Guimarães

▸ 17h – Espetáculo “Ensaio de Despedida”, na Funarte

▸ 20h – Espetáculo “Decadenta”, na Funarte

▸ 22h – Ponto de Encontro, na Funarte

 

18/11 (sábado)

▸ 9h – Oficina de Práticas Biográficas de Dramaturgia no Iesb com Patrícia Fagundes

▸ 9h – Oficina de Improvisação, no Iesb, com Pita Belli

▸ 9h – Oficina de Leituras Dramáticas no Iesb com Adriana Lodi

▸ 9h – Oficina Corpo-Instrumento no Iesb com Hugo Rodas

▸ 9h – Oficina As Superfícies da Palavra no Iesb com Fernando Guimarães

▸ 9h – Oficina O ator-performer: Ecos e Transversalidades no Iesb com Matteo Bonfitto

▸ 9h – Oficina de Teatralidade no Iesb com Juliana Pinho

▸ 17h – Espetáculo “O Lá: Sobre Viver em Quadrado”, na Funarte

▸ 20h – Espetáculo “What The Fuck is Diz?”, na Funarte

▸ 22h – Ponto de Encontro

 

19/11 (domingo)

▸ 9h – Oficina de Práticas Biográficas de Dramaturgia no Iesb com Patrícia Fagundes

▸ 9h – Oficina de Improvisação, no Iesb, com Pita Belli

▸ 9h – Oficina de Leituras Dramáticas no Iesb com Adriana Lodi

▸ 9h – Oficina Corpo-Instrumento no Iesb com Hugo Rodas

▸ 9h – Oficina de Teatralidade no Iesb com Juliana Pinho

▸ 9h – Oficina As Superfícies da Palavra no Iesb com Fernando Guimarães

▸ 17h – Espetáculo “Espere a Primavera”, na Funarte

▸ 20h – Espetáculo “Eu é Outro: Ensaio Sobre Fronteiras”, na Funarte

▸ 22h – Ponto de Encontro, na Funarte

 

20/11 (segunda)

▸ 9h – Debate Teatro Universitário x Teatro Profissional

▸ 10h30 – Debate Teatro e Consciência Negra

▸ 17h – Exibição especial do espetáculo “Pentes”

▸ 20h – Espetáculo “Benedites”

▸ 22h – Ponto de Encontro

 

21/11 (terça)

▸ 9h – Processos Criativos Contemporâneos

▸ 10h30 – Arte-Educação

▸ 17h – Espetáculo “Nada de Novo sob o Céu”

▸ 20h – Espetáculo “Entre Nós: Buzinas, Chicotes e Ácidos”

▸ 22h – Ponto de Encontro

 

22/11 (quarta)

▸ 19h – Cerimônia de Encerramento

▸ 20h – Espetáculo “Adubo: Ou a Sutil Arte de Escoar pelo Ralo”

▸ 22h – Ponto de Encontro

 

Serviço – CéU – (Cena Universitária Nacional de Brasília)

De 16 e 22 de novembro, no Teatro Plínio Marcos – FUNARTE

Os ingressos poderão ser adquiridos na semana do evento, diretamente na bilheteria do teatro, entre 15h e 21h.

Espetáculos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia).

Oficinas: R$ 20 (valor único)

Local: IESB, IFB e UNB

As palestras têm entrada franca

Local: Teatro Dulcina de Moraes

Mais informações em: http://cenauniversitaria.com/2017

producao@cenauniversitaria.com

Telefone: 61 981155205

Deixe sua resposta