DF tem 4.733 imóveis em 36 áreas de risco

Principais ameaças são desabamento, alagamento e choques elétricos.

Por: Diego Tolentino

Brasília possui 36 áreas de risco espalhadas por 18 regiões, comprometendo 4.733 residências. O dado foi divulgado nesta segunda-feira (13/11) pela Agência de Fiscalização (Agefis) e pela Defesa Civil. Sol Nascente, em Ceilândia; Porto Rico, em Santa Maria; e Vicente Pires  estão entre as regiões mais preocupantes. A campeã, no entanto, é a ocupação de Santa Luzia, na Estrutural, com riscos de alagamento e choque elétrico.

“É, de fato, a área com maiores riscos”, alerta Sérgio Bezerra, subsecretário do Sistema de Defesa Civil. Os números são praticamente idênticos aos divulgados em 2016, quando também havia 36 áreas de risco em 18 regiões administrativas. O que reduziu foi o número de imóveis, a maioria residências: de 4.762 para 4.733. Os moradores dessas regiões também estão sujeitos a riscos de desabamento.

Também fazem parte da lista de risco as regiões da Fercal e Vila Rabelo, em Sobradinho; e a Vila Cahuy, no Núcleo Bandeirante, e em Arniqueiras, Águas Claras. Há pontos em risco, também, em Planaltina, Recanto das Emas, Paranoá, Riacho Fundo, Varjão e Samambaia. A lista com todas as áreas, entretanto, não foi divulgada.

Deixe sua resposta