GDF entra na Justiça para suspender greve de funcionários da CEB

Negociação, agora, deve ser mediada pelo TRT.

Por: Diego Tolentino

O governo de Brasília entrou na Justiça, nesta sexta-feira (10), para pedir que os funcionários da Companhia Energética de Brasília (CEB) pararem com a greve e retornem aos postos de trabalho. Os servidores estão sem trabalhar  desde segunda-feira(6). O Buriti disse ainda, que vai retirar a proposta de reajuste salarial feita aos trabalhadores.

De acordo com o presidente da companhia, Lener Jayme, a proposta de acréscimo em R$ 150 no vale-refeição não foi aceita pelos servidores, assim como a recomposição inflacionária, em 100%, considerando o período de novembro de 2015 ao mesmo mês de 2016.

O presidente da CEB afirmou, ainda, que não é possível contratar novas equipes. Em entrevista à imprensa, Lener Jayme pediu “respeito à população”. “Esse movimento deveria ser interrompido”.

Apesar da redução em 70% do efetivo de funcionários, a CEB conta com a atuação de todas as equipes de terceirizados, até esta sexta.

Até a tarde desta sexta (10), o sistema da CEB registrava 2.684 serviços sem reparo. O número, de acordo com a companhia, já exclui chamados repetidos, e corresponde à necessidade real de reparos na rede elétrica. Com a greve, apenas 30% dos funcionários estão trabalhando e, por isso, não há prazo para conclusão dos trabalhos.

O governo de Brasília também determinou à diretoria da CEB que corte o ponto dos servidores grevistas. Em nota divulgada na quarta (8), o sindicato dos funcionários da companhia informou que não recebia recomposição salarial desde 2014, e que não vai suspender a paralisação por conta das chuvas.

Deixe sua resposta