Moda de tirar o fôlego

A alta costura no Distrito Federal conta com uma visão jovem para trazer inovação para o mercado de moda

Por Luis H Andrade | Fotos: Catarina Porto/Laura Valadão Divulgação

A estilista de moda, Laura Valadão, vem fazendo sucesso com o público da alta costura aqui de Brasília. Com apenas 27 anos, ela já carrega uma bagagem extensa.

Nasceu em Goiânia, porém mora em Brasília desde pequena, aos doze anos foi para o Texas com a família, onde estudou teatro, praticou esportes como vôlei e futebol e até fez testes de inglês, passou em try-outs (testes, em inglês) para ser cheerleader. De volta ao Brasil, Laura focou nos estudo para transformar seus sonhos em realidade.  

Formada em Administração pela Universidade de Brasília (UNB), Laura se viu preparada para estudar moda na Accademia Koefia, em Roma. Para não ficar tanto tempo fora de Brasília ela preferiu fazer o corso brevi,  intensivo que compacta e apresenta um pouco do conteúdo dos três anos do curso em um ano só.  

Laura Valadão e seu vestido de noiva

Laura investiu na alta costura para os moradores do Distrito Federal. Com peças prêt-à-porter (Prontas para levar) e também sob encomenda, ela coleciona clientes fiéis por todo o quadradinho e possuiu, inclusive, diversas pessoas interessadas em seus modelos Brasil a fora

 

Plano Brasilia: Quando surgiu a ideia de ter um atelier?

Laura Valadão: Eu sempre quis fazer moda e meus pais me incentivaram, porém sugeriram que eu fosse para São Paulo, eu não tive coragem de ir na época, prestei vestibular para um curso que me seria útil para quando eu fosse abrir o meu negócio, passei para ADM, na UNB. Assim que me formei, criei coragem e fui para Roma. Passei um ano lá e aprendi o que realmente é a alta costura. Eles são bem metódicos e cuidadosos na costura e passadoria. Amei ver de perto e poder executar um pouco com as próprias mãos . Quando cheguei no Brasil logo me vi trabalhando com o que amo para a loja Amanda Brasil, onde aprendi o lado industrial da produção de moda.

PB: Por que surgiu?

LV: Eu sempre gostei de moda. Eu tinha um blog e através dele eu tive a oportunidade de desenhar duas coleções pocket para uma loja aqui de Brasília antes mesmo de ter qualquer formação em moda.  O meu desenho melhorou depois do curso, claro, quando aprendi a técnica. Mas o gosto eu sempre tive.

PB:Mercado em Brasilia é favorável?

LV:Mão de obra aqui no DF é bem escassa. Tive alguns prejuízos no processo de teste de costureira. Ainda bem que nessa saga encontrei algumas costureiras parceiras para me ajudarem a entregar um produto com boa qualidade. Agora ando querendo trabalhar com algumas peças prontas.

PB: Costuma vender peças para fora do DF?

LV: Já recebi alguns pedidos para fora do estado, porém, como são feita sob medidas  é algo complicado. Geralmente temos uma ou duas provas no corpo, antes de fechar definitivamente a costura, e isso se torna um fator limitante quando o assunto é produção a distância. Não consegui ainda pensar em como funcionar. Tenho, inclusive, uma amiga da Itália que me pediu um vestido, mas não quis arriscar por agora.

PB: Coleção 2018?

LV:Fiz uma coleção “Pocket”, com quatro looks e cangas de praia diferenciadas. Está indo bem já recebemos  alguns pedidos para produção. Quando as peças prontas acabam a cliente pode pedir o modelo que gostou em suas medidas, e assim podemos produzir mais da peça sem problemas. Fiz também uma canga lisa na cor off white, e recebi encomenda para fazer também na cor preta. Quis fazer essas cangas para atender uma vontade minha e que eu acho que muita gente se identificou, porque existe uma falta desse tipo de peça lisa, geralmente elas são estampadas e com cores fortes. Os preços dos vestidos de festa, sem bordado,  são a partir 

de 1000.00. Os looks prontos para levar custam em média a partir de 500,00 reais. A primeira remessa das cangas saiu por 70 reais, mas já estão esgotadas.

Laura conta também que, no começo do ano, realizou um dos seus sonhos. Casou-se com Fabio Faria, usando um vestido que ela mesma desenhou. O modelo branco com tule e bordados cor de ouro está em destaque no seu Instagram e ela o mantem guardado, em casa, com todo o cuidado do mundo. “Eu só o deixo exposto quando é necessário. Ele é bastante pesado.” Conta a estilista, com um sorriso no rosto.

Laura conta também que os modelos são modelados na boneca, pelo método que aprendeu em sua escola que se chama moulage. Ela os executa primeiramente no algodão cru, e a partir daí começa a produção no tecido definitivo.  Aproveitou também para completar que, para 2018, o seu desejo é estudar mais costura.

 

 

 

Serviço:

Atelier Laura Valadão,

Lago Sul, QI 28.

Instagram: https://www.instagram.com/atelierlauravaladao/

Canal do Youtube: Laura Land

Deixe sua resposta