Mostra de Curtas “Brasília em Plano Aberto”

Mostra de curtas chega a Brasília para falar sobre Consciência Negra e Diversidade

Por Luis H Andrade*

Consciência Negra e Diversidade ganham destaque e relevância no mês de novembro e, norteados por estes temas, os curadores do Brasília em Plano Aberto, Mostra de Curtas Brasiliense, Wol Nunnes e Maurício Witczak, selecionaram quatro curtas, rodados por cineastas da cidade e de diferentes gerações, que tocam com profundidade estes assuntos.

O cineasta convidado especial desta quinta edição do projeto, Adirley Queiroz dá voz à periferia em seu filme “Rap o Canto da Ceilândia”, que abre a sessão de exibições. O documentário “Das Raízes as Pontas”, da diretora Flora Egécia, discorre sobre a consciência negra. “Marcas de uma estrada Griô”, de Pato Sardá, mostra a trajetória do bailarino João Negreiros; e “Entre cores e navalhas”, de Catarina Aciolly e Iberê Carvalho, aborda a questão da diversidade em uma narrativa poética e delicada.

Após as exibições, tem bate-papo com os cineastas convidados. Em seguida, no jardim do CCBB, tem DJ do Selo Criolina, tocando trilhas conhecidas do cinema nacional e internacional, e foodbikes.

Brasília em Plano Aberto tem como proposta apresentar uma cartografia da produção cinematográfica realizada na Capital Federal nos últimos 40 anos ao reunir, em um só evento, registros e olhares de uma sociedade captados através das lentes dos cineastas experientes, com suas carreiras já consolidadas, assim como de jovens que despontam no cenário do audiovisual local e também nacional.

 

 

Serviço:

Mostra de Curtas “Brasília em Plano Aberto”

Tema: Diversidade e consciência negra.

Endereço: SCES Trecho 2 – Brasília/DF

Dia e horário: 1º de novembro, a partir das 19h30

Entrada franca. Retirada de ingressos a partir de 1 hora antes do início da sessão, somente na bilheteria do CCBB.

Classificação indicativa: 16 anos

 

Sinopses dos filmes: 

“Rap, o canto da Ceilândia”, de Adirley Queiroz; Ano de produção: 2005; Duração: 15 minutos. C.I.: 10 anos. Sinopse: Diálogo com quatro consagrados artistas do Rap nacional (X, Jamaika, Marquim e Japão), todos moradores de Ceilândia.

Das raízes as pontas”, de Flora Egécia; Ano de produção: 2015; Duração: 20 minutos; C.I.: livre. Sinopse: Luiza, uma menina de 12 anos, fala com orgulho de seu cabelo crespo e sua ancestralidade. A história de Luiza é uma exceção.

Marcas de uma estrada griô”, de Pato Sardá; Ano de produção: 2013; Duração: 15 minutos; C.I.: livre. Sinopse: Documentário sobre a brilhante trajetória do ator e bailarino João Negreiros.

“Entre cores e navalhas”, de Catarina Aciolly e IberêCarvalho; Ano de produção: 2007; Duração: 10 minutos; C.I.: 14 anos. Sinopse: Antony e Esperança estabelecem uma relação ao se conhecerem. Desse encontro, desencadeiam mudanças profundas na vida e na aparência de ambos.

Deixe sua resposta