NÃO BASTA USAR A INTELIGÊNCIA É PRECISO ACABAR COM A BURRICE E O AMADORISMO

No dia 10 do corrente mês ocorreu o mais esperado encontro da história recente brasileira. Refiro-me ao depoimento de Lula ao juiz Sergio Moro. O resultado foi uma decepção para a maior parte dos interessados no interrogatório porque, de forma surpreendente, esperava-se que, por gesto de extrema honradez, Lula iria constituir prova que o incriminasse e possibilitasse a sua condenação de forma mais convincente. Ocorreu o óbvio, com o direito de mentir em seu favor, o acusado Lula de nada sabia e o que foi possível, foi imputado à falecida senhora sua esposa. Pelo seu perfil nada surpreendeu.

Por outro lado, as ações dos órgãos de segurança, encarregados da manutenção da ordem pública, foram  surpreendentes. O conhecimento de Inteligência serve para assessorar autoridades, empresários, banqueiros, dentre outros, para que uma decisão seja tomada levando em consideração os dados mais próximos da realidade. O grande diferencial do conhecimento de Inteligência é que ele procura agregar na sua análise os dados, fatos, situações e evidências não disponíveis ao público, ou seja, trabalha com os dados negados ao conhecimento público. Para isso, utiliza técnicas operacionais que possibilitam o acesso a esses dados não disponíveis. Por outro lado, organizações, Estados, Forças Armadas, organizações criminosas e líderes de qualquer área procuram ocultar ou mascarar os seus atos, procedimentos ou  intenções futuras para que possam evitar a ocorrência de ações ou atitudes que não sejam dos seus interesses. Essas atividades podem ser classificadas como ações de Contra Inteligência onde a desinformação é uma medida ativa em que se busca enganar os adversários, concorrentes ou inimigos de uma real situação existente ou de uma ação futura.

Na determinação do aparato de segurança, que teve um custo considerável, quer no aspecto econômico, quer no que diz respeito ao desvio de forças de segurança do atendimento às demandas da população, três situações podem ter ocorrido. Em uma primeira hipótese, os movimentos sociais,  sindicatos e centrais sindicais, partidos políticos e ONGs que apoiam Lula têm uma grande capacidade de desenvolver atividades de Contra Inteligência em particular de desinformação. Com isso, conseguiram iludir toda a imprensa, a população em geral e os órgãos de segurança quanto à capacidade que têm de  mobilizar a população e o apoio que as manifestações teriam pelo público em geral.

A segunda hipótese é que os conhecimentos produzidos pelos ´órgãos de Inteligência inclusive com suas apreciações sobre o que possivelmente ocorreria no dia do interrogatório não foram levados em consideração pelas autoridades que decidiram por realizar um esquema de segurança totalmente fora de qualquer planejamento racional e sem nenhum comprometimento com o  erário.

Finalmente, uma outra hipótese é que os órgãos de segurança envolvidos não sabem produzir conhecimentos de Inteligência. Não levaram em  conta que a organização  de uma grande manifestação precisa de preparativos como aluguel de meios de transportes, concentração de pessoas, divulgação de procedimento e  arrecadação de recursos somente para citar alguns. Esses procedimentos podem ser detectados e processados para que se tenha a elaboração de um conhecimento sobre um fato futuro com fortes possibilidades de retratar o que ocorrerá. O grande problema é que quem não conhece a ferramenta Inteligência, muitas vezes prefere ressoar junto à autoridade que deve decidir  o que é veiculado pela imprensa ou  o que o senso comum afirma pois, com esse comportamento,  corre poucos riscos, reforça o convencimento de quem está influenciado pela mídia e  não se torna importuno com ideias que fogem do que é esperado. O resultado pode ser uma enorme estupidez como a que foi realizada pelas forças de segurança encarregadas da manutenção da lei e da ordem. É importante ressaltar que não se precisa somente usar a Inteligência é preciso acabar com a burrice.

SELVA!!!

 

Deixe sua resposta