Olimpíadas de Matemática batem recorde de instituições inscritas

Aproximadamente 18 milhões de estudantes participaram da competição realizada pela OBMEP 2017, sendo 257 mil estudantes de Brasília. Mais de 50 mil escolas se inscreveram neste ano, contra 47 mil escolas no ano de 2016

Por Iara Nóbrega

Em sua 13º edição, as Olimpíadas de Matemática bateram seu recorde, com 51.373 instituições inscritas contra 47.474 do ano passado. A competição de 2017 conta, pela primeira vez, com 4.472 participantes de colégios particulares. As inscrições deste ano foram abertas no dia 20 de fevereiro e aproximadamente 18 milhões de alunos brasileiros se inscreveram, sendo 257.668 só de Brasília. Para participar das Olimpíadas é necessário que as escolas se inscrevam no site da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP).

Destinada a estudantes do 6º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio, a OBMEP contribui para estimular os alunos a estudarem a disciplina de matemática, identificar jovens talentosos e incentivar seus ingressos nas áreas científicas e tecnológicas, sem falar da promoção à inclusão social pela difusão do conhecimento.

Em nota, a assessoria da Instituição Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), que é responsável pela competição no país, afirmou que estudos independentes comprovam um efetivo impacto da OBMEP nos resultados de Matemática no país. “Escolas que participavam ativamente da competição acadêmica apresentam acentuada melhora no desempenho de seus alunos na Prova Brasil: a evolução é da ordem de 26 pontos, o que corresponde a 1,5 ano de escolaridade extra”. É o caso de Ana Letícia Silva, de 12 anos.

Ela realizou a primeira fase da prova no Centro de Ensino Fundamental Santos Dumont, em Santa Maria e disse que a escola leva a sério a prova, mas não faz nenhuma preparação com os alunos. Mesmo com essa dificuldade, a aluna acredita que a OBMEP é um excelente desafio. “A prova não estava muito difícil, o que caiu na prova foi o que eu havia aprendido no ano passado, no 5º ano, mas este ano nós soubemos que as escolas particulares iam participar. O problema é que as escolas públicas não preparam os alunos para as provas. Apesar da escola informar a data, a gente nunca sabe exatamente o que vai cair e todo mundo fica doido para ganhar”, diz a estudante.

Percebendo essa necessidade, a professora de matemática Alessandra Lisboa, idealizou o projeto Matemática Todo Dia, no Centro de Ensino Médio 9 de Ceilândia, que prepara os alunos para a prova. “Eu fiquei muito inquieta porque eu queria que a nossa escola participasse da OBMEP e ela não participava. Não era somente participar, eu achava interessante a gente preparar os estudantes, motivá-los para que eles pudessem realizar a prova e ter um bom resultado”, diz.

Criado em 2007, o projeto Matemática Todo Dia conseguiu fazer com que 169 estudantes fossem premiados pela competição anual com medalhas e menções honrosas. O CEM 9 já conquistou cinco vezes a premiação de escola campeã da OBMEP, graças ao empenho dos professores voluntários que dão aulas dinâmicas e motivadoras para os alunos. Eles já conquistaram não apenas as premiações da competição, mas também diversas outras incluindo prêmios científicos e bolsas na Universidade de Brasília (UnB).

Os criadores e voluntários do projeto pretendem implantar essa ideia em outras escolas públicas para estimular os estudantes em atingir as premiações nas Olimpíadas com mais facilidade. Alessandra acredita que o projeto já conseguiu plantar a sementinha em uma escola próxima a dela  “A nossa vontade é que o projeto acontecesse em outras escolas, mas para isso seria importante de ter parceiros nessas escolas”, ressalta.

Como funciona a prova

As Olimpíadas de Matemática organizadas pela OBMEP, é uma iniciativa que ocorre em todas as escolas públicas, e agora particulares, do Brasil. As provas da OBMEP são categorizadas em três níveis, separados de acordo com o currículo escolar. A adesão de alunos das escolas privadas a partir desta 13ª edição pretende garantir que todas as escolas brasileiras tenham acesso a material de qualidade, ajudando a despertar o gosto pela matemática.

A competição é organizada em duas fases: a primeira aconteceu no dia 6 de junho e a segunda no dia 16 de setembro. As provas são realizadas nas próprias escolas inscritas e a correção também são feitas nas respectivas escolas, de acordo com as normas de gabarito da OBMEP.  A segunda etapa será realizada em centros de aplicação indicados pela organização das Olimpíadas, o que geralmente ocorre em escolas ou universidades. Os fiscais das provas também são indicados pela organização. O resultado da primeira fase será divulgado no dia 29 de agosto.

As premiações neste ano serão feitas separadamente entre os alunos de escolas públicas e privadas. São 500 medalhas de ouro, 1.500 de prata, 4.500 de bronze e até 46.200 menções honrosas para os alunos de escolas públicas. Já para os de escolas particulares, são 25 medalhas de ouro, 75 pratas, 225 de bronze e até 5.700 menções honrosas.

Criada em 2005, a OBMEP é uma realização do IMPA, com apoio da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) e promovida com recursos do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e do Ministério da Educação (MEC).

 

Deixe sua resposta