Quase 500 bebês são salvos do aborto, após campanha de oração

A iniciativa aconteceu em mais de 300 locais, unindo igrejas e pessoas .

Por: Diego Tolentino

Uma campanha de oração resultou em muitas vidas salvas. . Chamada de 40 Days For Life (40 Dias Pela Vida) está reportando um recorde de 492 bebês salvos do aborto. A iniciativa ocorreu em todo o mundo, em 375 locais, unindo igrejas e pessoas que conheciam alguma mãe considerando o aborto.

A 40 Dias Pela Vida é autodescrita como uma “campanha baseada na comunidade que leva uma abordagem determinada e pacífica para mostrar às pessoas as consequências do aborto em seus próprios bairros, para seus amigos e famílias”.

A Life News informa que, em muitos casos, o simples ato de se apresentar para orar na calçada era o meio de divulgação mais eficaz: “Um dia estávamos orando, apenas orando – não aconselhando, mas apenas orando”, disse Salvador, um ativista em Greensboro, Carolina do Norte (EUA).

Abordagem

Ele continua e diz que enquanto oravam, viram uma jovem no estacionamento da clínica de aborto por vários minutos antes de finalmente estacionar e sair do carro. “Ela me disse que precisava de orações”, disse Salvador. “Eu perguntei se ela estava lá para um aborto e ela disse ‘sim’, então começamos a orar com ela”, ressaltou.

Após a oração, os voluntários deram à mulher informações sobre os recursos da gravidez na área de Greensboro. “Eu dei-lhe uma cartilha e ela partiu”, disse Salvador.

Mudança

Em uma vigília em Winnipeg, Manitoba, outra voluntária da 40 Dias Pela Vida descreveu um encontro com uma mãe que procurava sua filha em uma clínica de aborto. “Ela disse que era contra o aborto, mas sua filha estava no hospital para tirar a vida de seu bebê. Sua filha havia engravidado em um relacionamento com um homem abusivo e drogado”, contou.

Maria, a voluntária, perguntou à mãe sobre o que ela pensava sobre adoção, e a mãe respondeu que estava preparada para criar a criança. “Eu lhe assegurei que as duas teriam nossas orações e ela entrou”, disse Maria. Poucos minutos depois, a mulher saiu do prédio e disse aos voluntários que ela estava levando sua filha para casa. A moça estava reconsiderando sua decisão, e “a mãe estava sorrindo amplamente”, disse Maria.

Deixe sua resposta