Redução de juros aquece o mercado imobiliário

Índices como a queda da inflação são fatores que fortalecem a economia do país para investir no aluguel, compra e venda de imóveis

O mercado imobiliário tem previsão de se recuperar em 2017 após crise sofrida no último ano. Especialistas acreditam em um crescimento por volta de 10% no segmento em comparação ao ano passado, no qual cerca de 200 mil imóveis foram financiados de acordo com a Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Índices como a inflação, que saiu de 10,7% em 2015 para 6,3% em 2016, são um dos fatores que fortalecem a economia do país para que o mercado imobiliário tenha uma perspectiva melhor no futuro.

Wilson Charles, diretor comercial da Emplavi, analisa o futuro do mercado imobiliário como promissor após uma crise econômica que afetou o setor no ano passado. “Quando temos uma queda da taxa de juros aliada a níveis baixos de inflação, sempre temos uma ascensão no mercado imobiliário considerando que o dinheiro volta a circular”.

De acordo com o diretor comercial, a oferta de imóveis ficou estagnada, o que ocasionou uma situação preocupante para as empresas imobiliárias, porém a Emplavi já conta com uma demanda maior e uma grande procura por imóveis em suas centrais de atendimento com pessoas buscando por opções disponíveis que caibam no bolso. “Com a redução de juros, os investimentos financeiros começam a ficar mais interessantes com uma rentabilidade mais baixa e o mercado imobiliário é uma grande opção porque os preços estão muito bons, baixaram até onde podiam”, afirma Wilson.

Wilson Charles, diretor comercial da Emplavi – Foto: Matheus Bueno

Para este ano, a previsão feita pelo mercado financeiro é de que a inflação seja de aproximadamente 4,5% de acordo com divulgação do Banco Central. O aumento do Produto Interno Bruto (PIB) é outro fator que contribui para o setor de imóveis, pois um crescimento significa um melhor cenário econômico no país. O Banco Central estima que o PIB deve crescer cerca de 0,4% em 2017. Com uma prevista redução de juros este ano, a economia fica mais aquecida trazendo alguns benefícios às empresas como mais confiança na renda do consumidor, baixa inadimplência, crescimento de ofertas de emprego, entre outros.

A atual baixa rentabilidade de setor traz uma grande demanda de pessoas procurando por imóveis. Se a baixa de juros continuar, a tendência é uma retomada de preços para vendas futuras e o ideal, segundo Wilson, é aproveitar esse momento no mercado para investir na compra de casas, apartamentos, salas comerciais e outros tipos de imóveis. Para quem tem dinheiro guardado e não sabe onde aplicá-lo, Aurélio Bordalo, diretor da Bordalo Imob, avalia que agora é o melhor momento para investir nesta área. “As pessoas resolveram tirar o dinheiro do banco e aplicar no setor. 95% da rendas que nós fizemos nos últimos 40 dias foram pessoas tirando dinheiro de aplicação”.

Bordalo encara a situação do mercado imobiliário com otimismo para uma retomada de demanda e oferta por imóveis em Brasília, pois ele acredita que o mercado apenas desacelerou no período de crise e a perspectiva, em sua empresa, é o aumento no número de busca e ofertas de imóveis. “A procura por imóveis aumentou”, afirma o diretor. Aurélio também destaca que houve uma perda grande de corretores no período de crise, mas que as corretoras se qualificaram mais devido à situação. “Antes havia imobiliárias que trabalhavam com mil corretores aqui em Brasília. Teve uma saída grande e os que ficaram se qualificaram bastante”.

Deixe sua resposta